O filme, da cineasta zambiana-galês Rungano Nyoni, lançado em 2017 traz a história de Shula, uma menina de nove anos que é acusada de bruxaria em uma vila pela comunidade, de lá é levada pelo ministro do Turismo e da Tradição para um acampamento itinerante de feiticeiras onde elas são expostas para os turistas e trabalham em plantações e pedreiras do país. O filme, de maneira tragicômica levanta a questão dos usos políticos, econômicos e sociais, seja no ganho de votos, na legitimação de certos poderes, na fabricação de produtos e na resolução de problemas pessoais. A bruxaria, trazida pela diretora, revela um mundo balizado pela tradição que é transformada pelas mudanças sociais, onde em suas cristalizações se torna inventada, em conflito com a modernidade que se utiliza dessa tradição inventada para ganhos econômicos. Ao mesmo tempo que satiriza a vontade turística ocidental em encontrar uma África intocável e/ou exótica. A ótima história de Rungano constrói uma narrativa bastante perspicaz e em várias camadas sobre as sociedades da parte ocidental do continente.

Ficha Técnica 

Ano: 2017. Gênero: Drama/Comédia. Direção: Rungano Nyoni. 94 min. País de Origem: Reino Unido, França e Zâmbia.

Nenhum pensamento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s