Carol Lima de Carvalho é Doutoranda em História do Tempo Presente na Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC. Tem Mestrado em História Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC/SP (2019) e Graduação no curso de Licenciatura em História pela Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC (2016). É Vinculada ao AYA -Laboratório de Estudos Pós-Coloniais e Decoloniais e Vice-Presidente da Associação de Mulheres Negras Antonieta de Barros (AMAB). Pesquisadora associada ao Centro de Estudos Culturais Africanos e da Diáspora (CECAFRO) da PUC/SP e Conselheira no Conselho Estadual das Populações Afro descendentes de Santa Catarina (CEPA/SC). É uma das fundadoras do projeto AfroPower Ubuntu e integrante da coordenação da Marcha de Mulheres Negras em Santa Catarina (2015).

O presente artigo busca apresentar alguns aspectos acerca da trajetória de vida de sete mulheres negras na cidade Florianópolis. Diante da conjuntura de uma historiografia que invisibiliza as histórias e memórias afro-diaspóricas, há uma necessidade em evidenciar as epistemologias e narrativas plurais sobre e por população negra no sul do Brasil, reconhecendo, sobretudo as dinâmicas políticas, culturais, sociais e econômicas de mulheres negras. Ao caminhar para esta perspectiva, este artigo tem como protagonistas as mulheres que compõem a minha família, sendo minha bisavó, Gesuína Adelaide dos Santos, minha avó paterna, dona Zenair Maria de Carvalho e minha avó materna, dona Ada Jesuína dos Santos. E também as professoras Neli Góes Ribeiro, Altair Alves Lucio, Valdeonira Silva dos Anjos e Maria de Lourdes da Costa Gonzaga fundadoras da Associação de Mulheres Negras Antonieta de Barros (AMAB). Elas apontaram, e ainda apontam, a relevância daquelas que as antecederam, pois lutaram por equidade de direitos, no âmbito da educação, saúde e cultura, fazendo com que elas pudessem organizar dinâmicas de (re)existências. Através de entrevistas e leitura dos documentos de acervos pessoais, o objetivo é apresentar reflexões sobre suas trajetórias de vidas atravessadas pelo racismo, machismo e sexismo, e que apesar disso elas permaneceram resistindo, principalmente ocupando e construindo universos culturais negros, como por exemplo, o carnaval. Por este motivo, o artigo apresenta a importância em reconhecer suas presenças e protagonismos na construção da cidade, assim como suas epistemologias plurais no sul do Brasil. O artigo insere-se nos estudos sobre universos culturais negros, interseccionalidades, decolonialidade de corpos, tradição oral, oralidades e ancestralidades, questões basilares do campo dos estudos pós-coloniais e decoloniais.

ACESSE O TEXTO: CARVALHO, Carol Lima de. As mulheres negras na escrita da história do carnaval em Florianópolis: trajetórias e epistemologias plurais. Revista Transversos. Dossiê: O protagonismo das mulheres negras na escrita da História dos Brasis. Rio de Janeiro, nº. 20, 2020. pp. 11-31. Disponível em: . ISSN 2179-7528. DOI: 10.12957/transversos.2020.54980.

Acesse o site da Revista Transversos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s