A socióloga e artista Frida Orupabo é a segunda pessoa que integra o projeto Tecendo Sensibilidades. A artista norueguesa com heranças nigerianas atualmente reside em Oslo, na Noruega, onde produz sua arte que, de acordo com seu site, consiste em trabalho digital e colagens de vários tipos que exploram questionamentos relacionados à raça, relações familiares, gênero, sexualidade, violência e identidade.

Os meus trabalhos não são silenciosos, eles falam para quem olhar para eles. Como as minhas colagens, a maioria das figuras olha diretamente para você; te obriga a vê-las, mas elas também te veem. Criar trabalhos que ‘olham de volta’, para mim, é questionar uma ‘mirada branca’ e sua percepção do corpo negro

34ª Bienal. Frida Orupabo

Desde 2013 a artista divulga suas produções digitais principalmente através de sua conta no Instagram (@nemiepeba), também como imagens de domínio público que “a artista permanece sem acesso ao nome dos seus sujeitos – cujas imagens anônimas e martirizadas são de domínio público e derivadas dos dos processos coloniais de objetificação”, de acordo com o site de divulgação de sua participação na 34ª Bienal.

A partir das suas produções digitais, também são desenvolvidos de forma manual e artesanal a maioria das suas esculturas, colagens e fotomontagens físicas, aproximando a artista das pessoas que aborda nas suas produções, quando faz o exercício de descontextualizar e então assimilar, reelabora e, então, transformar.

1 Frida Orupabo, Sem título. Agosto de 2018.
2 Frida Orupabo, Sem título. Outubro de 2018.
3 Frida Orupabo, Sem título. Agosto de 2021.
4 Frida Orupabo, Sem título. Julho de 2020.
5 Frida Orupabo, Sem título. Dezembro de 2019.
6 Frida Orupabo, Sem título. Outubro de 2018.

Em parceria do Museu Afrobrasil com a 34ª Bienal, Orupabo está na exposição coletiva “Faz escuro mas eu canto”, desde 4 de setembro até 5 de dezembro desse ano, no Pavilhão da Bienal, localizado no Parque Ibirapuera, portão 3, Vila Mariana, em São Paulo – SP. 

Para mais informações sobre a exposição acesse: 

34ª Bienal

Museu Afrobrasil

Redes sociais da artista: 

INDICAÇÕES:

ACESSE O TEXTO: Raça, Corpo e Arte: contribuições de artistas negras/os para a reinvenção do mundo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s