A cineasta e professora Patrícia Ferreira Pará Yxapy nasceu na vila de Kunhã Piru, município de Missiones, Argentina. Indígena Mbyá-Guarani, mora em Koenju, aldeia a 30km do município de São Miguel das Missões, Rio Grande do Sul. Patrícia vem conquistando espaço e demonstrando sua potência em produções audiovisuais únicas, sendo uma das co-fundadoras do Coletivo Mbyá-Guarani de Cinema em 2007. Vem participando de mostras e festivais de cinema no Brasil e no mundo: o Cabíria Festival, onde diversos filmes que ela esteve envolvida foram transmitidos, o Festival de Berlim, onde foi transmitido seu documentário Carta de uma Mulher Guarani em Busca de uma Terra Sem Mal (2020) e em diversos outros como o American Native Film Festival, o forumdoc.bh, Lugar do Real, Berlinale, FINCAR, etc.

“De uns anos para cá eu comecei a trabalhar a espiritualidade, tentando entender também um pouco através da minha mãe. É super importante esse entendimento sobre a espiritualidade, a força, a fala. A partir do momento que você vai ficando mais velho você tem essa necessidade de aprender a fala mais poética. Eu comecei desse pensamento a partir para conversar, para trabalhar essas imagens através da minha mãe. É uma aprendizagem para mim também como mulher. A partir disto eu começo a me auto-reflexionar.” 

Autoria Indígena: Patrícia Ferreira

“Teko Haxy”, de Patrícia Ferreira (Pará Yxapy) e Sophia Pinheiro, apresenta a experiência do encontro entre duas mulheres que se filmam. O documentário experimental ancora-se na relação de duas artistas, uma cineasta indígena e uma artista visual e antropóloga não-indígena.

Patrícia Ferreira – Encontros de Cinema (2016)

“De origem Guarani Mbya, a cineasta Patrícia Ferreira entrou em contato com a produção de vídeos após participar de uma oficina do projeto Vídeo nas Aldeias. Depois de algumas produções em parceria, dirigiu seu primeiro filme sozinha: o documentário retrata o cotidiano de sua mãe e de sua filha em uma região de fronteira. Segundo ela, os filmes servem de espelho para que os indígenas possam refletir sobre a própria cultura.” 

Produções Cinematográficas:

Um encontro íntimo entre duas mulheres que se filmam. O documentário experimental é a relação de duas artistas, uma cineasta indígena e uma artista visual e antropóloga não-indígena. Diante da consciência da imperfeição do ser, entram em conflitos e se criam material e espiritualmente. Nesse processo, se descobrem iguais e diferentes na justeza de suas imagens.

Assista o filme gratuitamente pela plataforma EMBAÚBAPLAY.

Bicicletas de Nhanderu

No caminho com Mario

Desterro Guarani

PARA SABER MAIS:

Leia também o artigo “Fazer filmes e fazer-se no cinema indígena de mulheres indígenas com Patrícia Ferreira Pará Yxapy” de Sophia Ferreiro Pinheiro, co-diretora, amiga de longa data de Patrícia, doutora em cinema e audiovisual nos diz:

 “por meio do cinema, Patrícia performa a sua auto-etnografia e auto-mise-en-scène, manipulando o documentário indireto enquanto agente histórica, ou seja, escolhe os meios e as formas de se mostrar, exercendo um espaço de liderança por meio de seu trabalho que tensiona alguns processos da produção artística hegemônica”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s